Stilus outro

Flamengo nega desrespeitar a quarentena e diz: "Relação com Bolsonaro é institucional"

Por Lucileide Flausino Barbosa em 28/06/2020 às 22:10:31

O Flamengo emitiu um comunicado, na noite deste domingo (28), rebatendo o texto de um colunista do "O Globo". Em nota oficial, o Rubro-Negro afirmou que não desrespeitou a quarentena, cumprindo com as ordens das autoridades municipais e estaduais durante os treinamentos no Ninho do Urubu.

"É imperioso registrar a verdade dos fatos. O Flamengo jamais atropelou ou descumpriu as determinações emanadas pelas autoridades municipais e estaduais. Ao contrário disso, dispunha de pareceres jurídicos de que poderia fazer trabalho de fisioterapia e recuperação muscular, desde que com distanciamento mínimo de 2 metros entre os atletas e com observância das regras sanitárias, hoje chamadas de regras de ouro", escreveu o clube.

No texto publicado pelo "O Globo", o colunista Bernardo Mello Franco disse que o Fla "atropelou decretos do estado e da prefeitura e retomou a rotina no Ninho do Urubu. No dia do treino clandestino, o presidente Rodolfo Landim voou para Brasília e almoçou com Jair Bolsonaro."

O clube carioca, por outro lado, fez questão de pontuar que não sofreu nenhuma multa ou ação judicial por descumprir o isolamento social. O Rubro-Negro ainda lembrou que foi 100% aprovado pela inspeção sanitária realizada pelo Município do Rio de Janeiro.

Por fim, o comunicado ainda ressalta que a relação entre Rodolfo Landim e Jair Bolsonaro é apenas institucional. "É puramente institucional, entre os mandatários de duas Nações. A alegação do dito repórter de que há "mistura entre bola e política que ofende torcedores e desonra as tradições do clube" não é séria", completou.

Em maio, os presidentes de Flamengo e Vasco se encontraram com Bolsonaro para discutir o retorno do futebol em meio à pandemia de Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. Pouco mais de um mês depois da reunião, o Campeonato Carioca foi retomado, mesmo com o aumento do número de casos no Estado,

VEJA A NOTA NA ÍNTEGRA

No jornal O Globo deste domingo, 28 de junho de 2020, o colunista Bernardo Mello Franco teceu contra o Flamengo e sua diretoria comentários totalmente injuriosos, juridicamente equivocados e divorciados da realidade dos fatos, demonstrando que não os apurou e, muito menos, os qualificou corretamente.

Disse o referido colunista, indevidamente, que o Flamengo estaria fazendo uma cruzada contra a quarentena, acrescentando que, em suas palavras, "…o Flamengo atropelou decretos do estado e da prefeitura e retomou a rotina no Ninho do Urubu. No dia do treino clandestino, o presidente Rodolfo Landim voou para Brasília e almoçou com Jair Bolsonaro" (sic).

É imperioso registrar a verdade dos fatos. O Flamengo jamais atropelou ou descumpriu as determinações emanadas pelas autoridades municipais e estaduais. Ao contrário disso, dispunha de pareceres jurídicos de que poderia fazer trabalho de fisioterapia e recuperação muscular, desde que com distanciamento mínimo de 2 metros entre os atletas e com observância das regras sanitárias, hoje chamadas de "regras de ouro".

Além de prestar obediência às autoridades públicas, o Flamengo prestou informações sobre essas atividades ao Ministério Público do Trabalho e do Estado do Rio de Janeiro, esclarecendo, de forma transparente, que as atividades praticadas no CT observavam à legislação, em especial no que tange ao distanciamento de 2 metros e regras sanitárias.

O Flamengo não sofreu nenhuma multa ou ação judicial por descumprir a legislação municipal ou estadual que tratou do isolamento social ou de sua flexibilização, valendo dizer que recentemente foi o único clube 100% aprovado pela inspeção sanitária realizada pelo Município do Rio de Janeiro.

Causa espécie que o referido colunista, diante da cautela do Clube, venha atribuir o adjetivo "negacionista" ao presidente do Flamengo. O Flamengo, desde que iniciada a pandemia no Brasil, atuou fortemente através de sua vice-presidência de Responsabilidade Social, para ajudar a minorar os danos derivados da crise da saúde pública.

O Flamengo, diretamente, tem distribuído inúmeras cestas básicas, 200 mil frascos de álcool gel, liberou sua marca para confecção de máscaras e patrocinou uma "Live", que teve mais de um milhão de acessos e que divulgou ações e arrecadou doações para entidades de filantropia poderem desempenhar seu papel social.

Não há nada de negacionista ou de cruzada contra a quarentena. O que existe é um trabalho responsável e que preza o respeito à lei e aos gestores da cidade e do Estado do Rio de Janeiro.

Por fim, é importante registar que a relação do Presidente do Flamengo com o Presidente do Brasil é puramente institucional, entre os mandatários de duas Nações. A alegação do dito repórter de que há "mistura entre bola e política que ofende torcedores e desonra as tradições do clube" não é séria.

O colunista do jornal O Globo não possui qualificações para falar sobre a honra ou a tradição rubro-negras e seu texto, na realidade, é que envergonha a isenção e investigação que deveriam pautar o trabalho da profissão que desempenha.

Conselho Diretor

Presidência do Conselho de Administração

Presidência do Conselho Deliberativo

Presidência do Conselho Fiscal

Presidência dos Grandes Beneméritos

Presidência da Assembleia Geral

Fonte: Gazeta

Comentários

Queimada