PCEtLSBHbG9iYWwgc2l0ZSB0YWcgKGd0YWcuanMpIC0gR29vZ2xlIEFuYWx5dGljcyAtLT4KPHNjcmlwdCBhc3luYyBzcmM9Imh0dHBzOi8vd3d3Lmdvb2dsZXRhZ21hbmFnZXIuY29tL2d0YWcvanM/aWQ9VUEtMTE4NzgxMDk5LTEiPjwvc2NyaXB0Pgo8c2NyaXB0PgogIHdpbmRvdy5kYXRhTGF5ZXIgPSB3aW5kb3cuZGF0YUxheWVyIHx8IFtdOwogIGZ1bmN0aW9uIGd0YWcoKXtkYXRhTGF5ZXIucHVzaChhcmd1bWVudHMpO30KICBndGFnKCdqcycsIG5ldyBEYXRlKCkpOwoKICBndGFnKCdjb25maWcnLCAnVUEtMTE4NzgxMDk5LTEnKTsKPC9zY3JpcHQ+Cg==PG1ldGEgbmFtZT0iZ29vZ2xlLXNpdGUtdmVyaWZpY2F0aW9uIiBjb250ZW50PSJkS2U4R2xkclJfOE5oQjNvN3gtQWxuakdsR0lZaWl3QTc2N3d4TmRPcEVRIiAvPg==
Stilus outro

Governo disponibiliza R$ 10 bilhões em empréstimos via maquininha; efeito da pandemia "ficou para trás", diz Campos Neto

Por Redação em 25/09/2020 às 07:25:35

O governo federal publicou no Diário Oficial da União a Medida Provisória que concede crédito a microempreendedores por meio da maquininha de cartão. Ao todo, R$ 10 bilhões serão disponibilizados para linha de empréstimo aos microempreendedores individuais (MEIs) e a empresas de pequeno porte. O programa foi aprovado pelo Congresso em junho e, no mês de agosto, o presidente Jair Bolsonaro sancionou a lei e incluiu o empréstimo via maquininha. A medida disponibiliza um valor de até R$ 50 mil aos empresários. Assim, negócios menores poderão acessar capital de giro durante a pandemia.

Leia também

MPT rejeita denúncias de racismo contra Magazine Luiza por programa de trainee exclusivo para negros

Justiça reverte decisão e determina que médicos peritos do INSS voltem ao trabalho presencial

Pedidos de seguro-desemprego recuam 11,6% e indicam queda dos efeitos da pandemia no mercado

De acordo com o Ministério da Economia, o lançamento oficial do programa está previsto para acontecer no início de outubro. Para o microempresário ter acesso ao crédito, o faturamento do cartão será avaliado, e o pagamento, vinculado às vendas. Além disso, 8% dos direitos creditórios sobre as vendas futuras realizadas na maquininha serão cedidos ao banco que realizou o empréstimo. A taxa de juros é de 6%, com 36 meses para o pagamento. Nesta quinta-feira, 24, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que "o pior efeito da pandemia já passou" e que o país não consegue continuar arcando com o atual valor do auxílio emergencial. Ainda em sua fala, ao citar a inflação, Campos Neto reiterou que tem "absoluta tranquilidade" sobre o assunto. Ele disse que o Brasil tem apresentado uma retomada maior do que os mercados emergentes e atribuiu o feito aos programas federais.

*Com informações da repórter Camila Yunes

Fonte: JP

Comentários

Queimada