Stilus outro

Com gastronomia típica, servidor representa Mato Grosso do Sul em feiras pelo Brasil

Por Redação em 27/09/2020 às 09:49:05
.

Quando falamos em turismo, logo nos vem à cabe√ßa viagens que j√° realizamos ou que ainda desejamos fazer em algum momento de nossa vida. E esse insight acontece porque é exatamente o conceito da palavra, definida pela Organiza√ß√£o Mundial do Turismo (OMT): "deslocamento de pessoas para lugares diferentes em um período inferior a um ano e que n√£o esteja vinculado à realiza√ß√£o de trabalho ou alguma atividade econômica."

É importante lembrar que a cada viagem que fazemos, adquirimos experi√™ncias sobre a cultura do local, conhecemos seus pontos turísticos e também provamos a sua gastronomia típica. Como hoje, dia 27 de setembro, comemoramos o Dia Mundial do Turismo, conversamos com um servidor icônico da Funda√ß√£o de Turismo, que visita diversas cidades para divulgar o turismo de Mato Grosso do Sul.

Estamos falando do servidor Antônio Correia da Silva, mais conhecido como Baiano, que est√° h√° mais de 20 anos na Funda√ß√£o de Turismo atuando como motorista, encarregado do depósito de material de divulga√ß√£o das cidades turísticas do nosso Estado e o principal: como chef de cozinha, quando participa de feiras e congressos pelo Brasil.

"A gastronomia e o turismo s√£o irm√£os. Isso porque n√£o se faz turismo sem desfrutar da gastronomia, portanto, s√£o coisas que andam juntas. É cultural. Voc√™ vai conhecer um Estado, qual é o primeiro lugar que voc√™ vai? Voc√™ vai se alimentar e est√° conhecendo a gastronomia daquela regi√£o", comentou.

Durante as apresenta√ß√Ķes nas feiras, Baiano prepara os principais pratos de Mato Grosso do Sul, como: sopa paraguaia, arroz de carreteiro e macarr√£o de comitiva. Mas ele revela que o carro chefe é o caldo de piranha.

"O prato típico que é do nosso Estado e que eu venho trabalhando h√° 37 anos é o caldo de piranha, porque na época ninguém trabalhava o caldo de piranha como gastronomia de algum estado específico", recordou Baiano.

E quando ele diz que trabalhava com esse prato e outras comidas típicas h√° tanto tempo, n√£o é exagero. Antes de iniciar a sua trajetória no servi√ßo público e viajar para v√°rias cidades para representar Mato Grosso do Sul, Baiano esteve à frente do seu próprio negócio por oito anos.

"Por muitos anos tive bar e restaurante chamado Recanto Bahiano, onde servia bolinho de bacalhau, frango à passarinho, camar√£o, carne de sol acebolada, caldo de piranha, canja de frango e caldo de costela com mandioca. Como j√° tinha todo esse conhecimento da gastronomia regional ficou mais f√°cil participar das feiras e congressos divulgando a cultura gastronômica do nosso Estado."

O servidor conta que j√° teve a oportunidade de conhecer 22 capitais e dezenas de cidades com cerca de 50 a 500 mil habitantes e ainda relembra sobre a curiosidade que o seu apelido gera durante as degusta√ß√Ķes.

"O fato de ter um chef de cozinha com o apelido de Baiano no stand de MS sempre gera brincadeiras, que na realidade vira show e felicidades. O importante é que com o nosso trabalho, eu tive o privilégio de conhecer muitas cidades e ainda divulgar a nossa cultura gastronômica".

Quando questionado sobre o que mais marcou na sua trajetória profissional, Baiano é categórico. "O privilégio de servir o caldo de piranha para presidentes, governadores, ministros, prefeitos, inclusive os nossos. Gra√ßas a Deus. Olha, é uma caminhada maravilhosa. N√£o posso reclamar".

E ele ainda ressalta que "mesmo com mais de 30 anos de gastronomia, acredito que cozinhar é arte e paix√£o para um chef de cozinha e aprender n√£o é problema. Cada dia é novo e representa uma nova experi√™ncia", finaliza.

Ana Letícia Gaúna, SAD

Fotos: Divulgação

Fonte: Governo MS

Coment√°rios

Queimada