Derivado da maconha pode ser √ļtil para tratamento contra Covid longa

Por Redação em 16/09/2021 às 00:28:56

A hipótese é que a subst√Ęncia possa ser útil porque ela j√° tem efic√°cia comprovada contra outros casos inflamatórios semelhantes ao provocado pela doen√ßa.

Coordenador da pesquisa, o cardiologista Edimar Bocchi explica que a Covid causa a inflama√ß√£o de v√°rios órg√£os do corpo humano, com sintomas muito diversos.

Segundo ele, que também trabalha no Incor (Instituto do Cora√ß√£o da Faculdade de Medicina da USP, estudos apontam que entre 10% e 20% de quem foi infectado pelo Sars-CoV-2 deve apresentar a Covid longa.

O cardiologista explica que existem três motivos para esses efeitos prolongados acontecerem. No primeiro, o paciente, depois de se curar da infec√ß√£o viral, fica com um distúrbio imunológico que causa o problema. No segundo, é a própria infec√ß√£o viral inicial que segue no corpo, atingindo diversos sistemas e órg√£os. J√° no último, a Covid acaba desencadeando uma inflama√ß√£o crônica pré-existente.

Mas, independente do motivo, a grande quest√£o que intriga os médicos é como exatamente combater esses efeitos prolongados.

É aí que entra o CBD, j√° que h√° uma série de evidências que mostram sua utilidade no tratamento de sintomas semelhantes aos vistos na Covid longa, como contra inflama√ß√Ķes, dores e ansiedade.

Exatamente por causa desses estudos anteriores com a subst√Ęncia, o Incor vai poder come√ßar a nova pesquisa j√° na fase 3, realizada diretamente com humanos.

O estudo

Além disso, os principais sintomas de cada um dos pacientes ser√£o catalogados. Na sequência, os volunt√°rios v√£o ser divididos em dois grupos de maneira aleatória, com um recebendo placebo, e o outro, CBD de maneira gradual -os médicos querem monitorar os efeitos do corpo a cada dose da subst√Ęncia.

“Pelos efeitos descritos com o CBD, eu acredito que esses pacientes têm muita chance de ter benefícios com essa medica√ß√£o e a hipótese do estudo é que o canabidiol é superior ao tratamento usual para esse tipo de paciente”

afirma Bocchi.

Em 2019, a Anvisa regulamentou o uso de medicamentos derivados da maconha e permitiu sua venda em farm√°cias -essa autoriza√ß√£o permite o cultivo legal da c√Ęnabis no país.

Uma comiss√£o especial da C√Ęmara dos Deputados j√° aprovou um projeto de lei que autoriza que empresas fa√ßam o cultivo da planta com fins científicos ou medicinais. A regra, porém, ainda precisa ser votada no Senado e, se for aprovada, ser sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) -um crítico ferrenho desse tipo de medida. .

Bocchi afirma que a c√Ęnabis tem mais de 400 componentes e nem todos eles causam efeitos recreativos -o CBD é um deles.

“O que est√° claro atualmente é que a utiliza√ß√£o de derivados [da c√Ęnabis] que tenham efeito farmacológico e que n√£o colocam em risco o indivíduo é útil para o tratamento de algumas doen√ßas, como convuls√£o. Nesse casos, acho que é importante ter a libera√ß√£o”, diz o cardiologista.

Fonte: Banda B

Tags:   Saúde
Comunicar erro

Coment√°rios

Stilus outro
Agosto Lilas Sidro