PCEtLSBHbG9iYWwgc2l0ZSB0YWcgKGd0YWcuanMpIC0gR29vZ2xlIEFuYWx5dGljcyAtLT4KPHNjcmlwdCBhc3luYyBzcmM9Imh0dHBzOi8vd3d3Lmdvb2dsZXRhZ21hbmFnZXIuY29tL2d0YWcvanM/aWQ9VUEtMTE4NzgxMDk5LTEiPjwvc2NyaXB0Pgo8c2NyaXB0PgogIHdpbmRvdy5kYXRhTGF5ZXIgPSB3aW5kb3cuZGF0YUxheWVyIHx8IFtdOwogIGZ1bmN0aW9uIGd0YWcoKXtkYXRhTGF5ZXIucHVzaChhcmd1bWVudHMpO30KICBndGFnKCdqcycsIG5ldyBEYXRlKCkpOwoKICBndGFnKCdjb25maWcnLCAnVUEtMTE4NzgxMDk5LTEnKTsKPC9zY3JpcHQ+Cg==PG1ldGEgbmFtZT0iZ29vZ2xlLXNpdGUtdmVyaWZpY2F0aW9uIiBjb250ZW50PSJkS2U4R2xkclJfOE5oQjNvN3gtQWxuakdsR0lZaWl3QTc2N3d4TmRPcEVRIiAvPg==
Stilus outro

Guedes defende desoneração da folha e criação de tributos alternativos

Por Redação em 23/09/2020 às 14:48:48

Em coletiva de imprensa, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira, 23, que o Brasil deve desonerar a folha de pagamentos e, para que isso aconteça, será preciso buscar por "tributos alternativos". Ao lado do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP), Guedes defendeu a medida ajustada em reunião da Pasta com o presidente Jair Bolsonaro e afirmou que a desoneração ajudaria na retomada da geração de empregos. "Descobrimos 38 milhões de brasileiros que eram os invisíveis e temos que ajudar essa turma a ser reincorporada no mercado de trabalho, então temos que desonerar. E, por isso, que a gente precisa de tributos alternativos para desonerar a folha e ajudar a criar empregos", disse.

Leia também

Brasil tem 12,9 milhões de desempregados na pandemia

O líder do governo na Câmara afirmou que o compromisso com o teto de gastos está mantido e que os "tributos alternativos" organizarão o sistema sem gerar aumento de carga tributária. "Reafirmamos nosso compromisso com o teto de gastos. Buscamos dentro do orçamento recursos para poder avançar nos programas. E não terá aumento da carga tributária, é preciso que isso fique claro", afirmou. Guedes ainda abordou o fim do auxílio emergencial e prometeu uma "aterrissagem suave" ao fim dos pagamentos. "Nós vimos a importância do auxílio emergencial, como isso ajudou a manter o Brasil respirando e atravessando essa onda da crise. Então, temos que também fazer uma aterrissagem suave do programa de auxilio emergencial", concluiu Guedes.

Fonte: JP

Comentários

Queimada