Stilus outro

Dólar mantém viés de queda e chega a R$ 5,31 com cenário internacional; Ibovespa segura 109 mil pontos

Por Redação em 25/11/2020 às 12:30:27

A euforia nos mercados internacionais com o início da transição de poder na Casa Branca, divulgação de nomes que irão compor a administração de Joe Biden e avanços na descoberta da vacina contra o novo coronavírus continuam influenciando o mercado financeiro brasileiro nesta quarta-feira, 25. O dólar mantém o viés de queda e próximo das 12h20 caia 0,95%, cotado a R$ 5,324 O câmbio bateu mínima de R$ 5,314, enquanto a máxima não passou de R$ 5,395. Nesta terça, 24, a moeda fechou com queda de 1,06%, a R$ 5,375. Após encostar nos 110 mil pontos na véspera, a Bolsa de Valores brasileira oscila no pregão desta terça. O Ibovespa, principal índice da B3, registrava avanço de 0,13%, aos 109.924 mil pontos.

Desde o início da semana, os investidores estão mais abertos ao risco com a divulgação de novos avanços na descoberta do imunizante contra a Covid-19. A autorização de Donald Trump para que o pessoal de Biden inicie o processo de transição de poder na maior economia do mundo, anunciado pelo presidente no Twitter na noite de segunda, 23, também impulsionou o bom humor do mercado financeiro. Para completar a euforia, Biden anunciou novos nomes que farão parte da sua equipe de governo e confirmou a ex-presidente do Banco Central dos EUA (Fed, na sigla em inglês), Janet Yellen, como secretária do Tesouro.

Apesar do otimismo com o noticiário estrangeiro, investidores mantém a apreensão com o cenário fiscal brasileiro e o risco de disparada das contas públicas com o repique da pandemia em diversas regiões do Brasil. O governo federal tem se empenhado em afirmar que o país não vive uma segunda onda de casos, e em diversas oportunidades o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a administração pública está preparada para enfrentar uma nova disparada de infecções. Guedes também buscou trazer tranquilidade aos investidores ao afirmar que o auxílio emergencial, que deverá ter custo de R$ 322 bilhões ao cofres públicos até o fim do ano, será encerrado em 31 de dezembro de 2020, sem previsão de ser novamente prorrogado.

Leia também

Nota da embaixada chinesa é 'gota que transbordou o copo', diz ex-ministro da Fazenda

Empresas em programa de redução de jornada discutem alternativas para pagar 13º

'Pergunta para o vírus', diz Bolsonaro sobre prorrogação do auxílio emergencial

 

 

Fonte: JP

Comunicar erro

Comentários

Queimada